Não é lixo. É matéria-prima.

Em Vila Nova de Gaia, a quantidade de resíduos depositados nos ecopontos é reduzida. Nesta reportagem, apontamos algumas das razões que as pessoas invocam para não os separarem e damos a conhecer o que se pode fazer a partir da reciclagem de resíduos, poupando energia e recursos naturais.


A gestão dos resíduos urbanos é um dos maiores desafios ambientais do séc. XXI. Estes têm de ser separados e reciclados pois a sua deposição indiscriminada em aterro tem custos elevados e consome muito espaço.
No entanto, em Vila Nova de Gaia, cada pessoa separa apenas cerca de 27 quilos de resíduos por ano, valor muito inferior à meta de 45 quilos a atingir até 2020, em função das diretivas comunitárias.
Nesta reportagem, entrevistamos algumas pessoas para saber se separam os resíduos ou por que motivos não o fazem.
Também visitámos o aterro sanitário da Suldouro, em Sermonde, Vila Nova de Gaia, para mostrar como são encaminhados os resíduos que produzimos e dar a conhecer alguns dos produtos que se podem fabricar a partir da reciclagem de diferentes tipos de resíduos, poupando energia e recursos.
Assim, concluímos que os resíduos recicláveis não são lixo. São matéria-prima.

 

Alunos envolvidos no projeto: David Santos; Elton Ramos; Fábio Rocha

Escola: Escola EB 2,3 da Madalena

Data: 11.04.2016

Partilha esta reportagem em