O animal malfamado

Em Portugal podemos cruzar o licranço, um ser rodeado por mitos e crenças, que levam este animal com características únicas a ser perseguido injustamente.


No Norte de Portugal é fácil ouvir um ditado popular que avisa “mordedura de Licranço dá sete dias sem descanso” e que supostamente provocaria dores por um suposto veneno, transmitindo de geração em geração o mito do Licranço.

É um caso em que aparências iludem! Um exemplo de mimetismo, apresenta características que se parecem com uma cobra, porém o licranço é inofensivo.

Por ser confundindo, passou a ser vítima quando avistado. É um animal inócuo e importantes para o equilíbrio ecológico, é uma arma para o controlo de pragas das hortas e quintais, evitando-se assim, o uso de fitofarmacêuticos.

A cabeça pouco diferenciada do corpo ao contrário da cobra. (Foto por Luís Martins)

O Licranço solta a cauda como mecanismo de defesa (Foto por Luís Martins)

O mimetismo é tão eficiente que existem lengalengas que dão a este inofensivo animal, uma fama de animal perigoso

Cobra de vidro (Foto por Luís Martins)

 

Alunos envolvidos no projeto: Luís Martins

Data: 01.01.2020

Partilha esta reportagem em