Cotonetes nas praias. Como resolver?

No passado dia vinte e dois de fevereiro, nós alunos da turma F do 8.º ano do Externato Cooperativo da Benedita monitorizámos a praia de São Martinho no âmbito do Projeto Europeu Coastwatch. Durante a monitorização da praia deparámo-nos com uma grande quantidade de pauzinhos de cotonetes na areia, que inicialmente pensávamos que eram pauzinhos de chupa-chupa. Ficámos curiosos e fomos investigar.


IMG_1163

No passado dia vinte e dois de fevereiro, nós alunos da turma F do 8.º ano do Externato Cooperativo da Benedita monitorizámos a praia de São Martinho no âmbito do Projeto Europeu Coastwatch.

Durante a monitorização da praia deparámo-nos com uma grande quantidade de pauzinhos de cotonetes na areia, que inicialmente pensávamos que eram pauzinhos de chupa-chupa.

Ficámos curiosos e fomos investigar como os cotonetes iam parar às praias. Apurámos que provem de um mau hábito do Homem – colocar os cotonetes nas sanitas após o seu uso.

As águas residuais, como todos sabem, são encaminhadas para uma Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), que após tratamento adequado são devolvidas ao seu ambiente natural, os mares. Nestas estações, por vezes os crivos demasiado largos, deixam passar materiais de pequenas dimensões, que acabam por ser descarregados no mar. Os pauzinhos de cotonetes são demasiados finos não ficando retidos nos crivos das ETAR´s indo parar aos mares e mais tarde por ação das correntes marítimas às nossas praias.

Estes pauzinhos de plástico sofrem desgaste, transformando-se em microplásticos que conduzem à morte de muitas espécies da fauna marinha que os ingerem ao confundi-los com alimento.

Identificada a origem dos cotonetes nas praias temos que modificar os nossos “maus” hábitos por um PLANETA mais LIMPO.

Não coloque os cotonetes na sanita, mas sim no caixote do lixo.

Externato Cooperativo da Benedita

 

Alunos envolvidos no projeto: David Martyn; Francisco Silva; Gonçalo Nicolau; Bruno Martins

Escola: Externato Cooperativo da Benedita

Data: 28.03.2017

Partilha esta reportagem em