A disputa por alimento

 

Tal como nós aprendemos uns com os outros, com os animais acontece exatamente a mesma coisa. Por outras palavras, aprendem a viver em comunidade e fazer uso da “lei da sobrevivência”, onde quem possui mais força, geralmente, fica com a presa.

É exatamente o que esta imagem pretende retratar, só que em vez da dita “presa”, trata-se de comida … mas que comida tão estranha. Isto é comida? Eis a questão, os animais não adquirem a mesma consciência / destreza e sensibilidade do ser humano e, portanto, não conseguem distinguir a comida dos resíduos e, como tal, acabam por ingeri-los, como se de comida se tratasse.

No fundo, acabamos por consumir o lixo que é deixado à beira-mar através dos animais marinhos, o que origina, por exemplo, problemas de saúde.

No entanto, se a humanidade cumprisse com os seus deveres / obrigações cívicas de, pelo menos, recolher o lixo que produz na praia e colocá-lo no lixo, seria tão mais fácil e evitavam-se problemas como a poluição dos solos ou da água.

De uma forma ou de outra, é imperativo perceber que o lixo marinho prejudica a saúde, o bem-estar da população e a sua segurança, acabando por alterar atividades sociais e económicas, e que afeta negativamente a biodiversidade e os ecossistemas, tendo grandes impactos ambientais, alterando, desta maneira, os padrões estabelecidos.

 

Alunos envolvidos no projeto: Bruno De Sousa

Data: 28.11.2018

Partilha esta reportagem em