Uncategorized

Cavalos-marinhos da Ria Formosa, a luta contra a extinção

Cavalos-marinhos da Ria Formosa, a luta contra a extinção

A Ria Formosa possuía uma das maiores concentrações de cavalos-marinhos do mundo, mas atualmente estão a ser dizimados pela captura ilegal, ligada a interesses da medicina, decoração e alimentação de alguma culturas orientais, ainda que também a poluição e falta de proteção leve a que esta espécie possa entrar numa rápida extinção.

Rã-verde

Rã-verde

Trabalho realizado pela aluna Tânia Augusto Pereira do curso de Turismo Natureza e Aventura, numa visita à Mata do Bussaco.

A Rã-verde ou Rã-comum, Rana perezi, é o anfíbio mais abundante e fácil de observar em Portugal e distribui-se por toda a Península Ibérica, exceto em altitudes superiores a 2000m. Geralmente não ultrapassa os 7 cm de comprimento. Possui olhos salientes, próximos entre si, com pupila horizontal. Os tímpanos, situados atrás dos olhos, são bem visíveis, o que a distingue da Rã-ibérica (R. ibérica). Os membros posteriores são compridos e com membrana interdigital bem desenvolvida. A coloração dorsal é esverdeada ou acastanhada (por vezes surgem exemplares muito escuros) com manchas escuras de disposição irregular. Tem duas pregas glandulares muito marcadas dorso-lateralmente e com frequência possui uma linha vertebral verde clara. O ventre é esbranquiçado com manchas cinzentas de tamanho variável.

Rana perezi

Rana perezi

Trabalho realizado pela aluna Tânia Augusto Pereira do curso de Turismo Natureza e Aventura, numa visita à Mata do Bussaco.
A Rã-verde ou Rã-comum, Rana perezi, é o anfíbio mais abundante e fácil de observar em Portugal e distribui-se por toda a Península Ibérica, exceto em altitudes superiores a 2000m. Geralmente não ultrapassa os 7 cm de comprimento. Possui olhos salientes, próximos entre si, com pupila horizontal. Os tímpanos, situados atrás dos olhos, são bem visíveis, o que a distingue da Rã-ibérica (R. ibérica). Os membros posteriores são compridos e com membrana interdigital bem desenvolvida. A coloração dorsal é esverdeada ou acastanhada (por vezes surgem exemplares muito escuros) com manchas escuras de disposição irregular. Tem duas pregas glandulares muito marcadas dorso-lateralmente e com frequência possui uma linha vertebral verde clara. O ventre é esbranquiçado com manchas cinzentas de tamanho variável.