Ruído: um assassino silencioso no Porto?

Alunos do 8.º ano do Externato das Escravas do Sagrado Coração avaliaram o nível sonoro na cidade do Porto no início do ano de 2016. Recorreram a inquéritos, pesquisas e detetores de ruído, com o objetivo de entender se o Porto é ou não uma cidade ruidosa.


O ruído é um problema no porto?

fotografiaDe acordo com o estudo Coping with Noise, Portugal está em terceiro lugar no ranking das cidades mundiais mais ruidosas, juntamente com o Reino Unido e com a França. Conforme uma reportagem feita pelo Público, em Portugal, foram inquiridas 800 pessoas e 7% delas é afetada pelo ruído. Ainda de acordo com esta reportagem feita, o Porto é a cidade mais afetada pelo ruído a nível nacional. A nível internacional, o Porto ocupa o terceiro lugar, a par com Londres e Bruxelas. “Portugal é dos países mais expostos ao ruído ambiental (não industrial ou de origem profissional) ”, diz o audiologista Celso Martins, diretor técnico da Amplifon, a empresa que promoveu o estudo Coping with Noise. Uma reportagem realizada pelo Jornalismo Porto Net, em 2005, afirma que os níveis de ruído na cidade do Porto não eram preocupantes, enquanto que uma reportagem realizada pelo Público, em 2015 contrapõe referindo que o Porto tem graves problemas relacionados com o ruído, como é confirmado num estudo realizado pela mesma entidade.

Quais são as fontes de ruído?
As principais fontes de ruído na cidade do Porto, são a VCI, a Avenida Fernão Magalhães (73dB, segundo a nossa medição), o aeroporto Sá Carneiro, em Pedras Rubras e a Avenida dos Aliados (a atingir os 76dB, de acordo com a notícia publicada em 2011, pelo porto24, mais do que os 65 legalizados por lei). “A principal fonte de elevado ruído em Portugal é o tráfego e numa cidade de grande dimensão á escala de Portugal, com estradas onde o trânsito é por vezes rápido ou muito intenso, haverá certamente locais onde os níveis estarão a cima do limite fixado pela legislação, causando prejuízos para a saúde pública.”, como referiu Francisco Ferreira, atual presidente da Associação Ambiental Zero, através de um email.

Como se pode medir o ruído?
O ruído pode ser medido através de mapas de ruído, em que se determina as áreas mais afetadas por este problema. Num mapa de ruído da C.M.P., podem-se ver os locais com maiores e menores níveis de ruído diurno, do entardecer e noturno, durante um período de 24 horas. 

Quais os efeitos do ruído na saúde humana?
O ruído pode provocar graves problemas na saúde humana tais como: surdez, perturbações no sono, aumento da tenção arterial, stress, entre outras, tal como nos disse Francisco Ferreira, “Os efeitos na saúde não são apenas a surdez – pode haver perturbações no sono, aumento da tensão arterial, stress, entre outras consequências. Para se conhecer a situação é necessário fazer um diagnóstico.”

O que se pode fazer para reduzir o ruído?
Para reduzir o problema do ruído podem-se tomar certas medidas, tais como: reduzir a velocidade dos veículos, mudar os pavimentos, reduzir o tráfego e instalar barreiras acústicas junto às vias rodoviárias,

Quais os resultados dos inquéritos feitos?
De acordo com um questionário, realizado a cerca de 26 pessoas com idade superior a 18 anos, no Externato das Escravas do Porto, 84% referem já terem sido confrontadas com situações de ruído. Nenhum dos inquiridos fez queixa à Câmara, apesar de 53% afirmarem ter conhecimento de quem já o tenha feito. Cerca de 69% consideram a cidade do Porto ruidosa e todos estão de acordo quanto aos danos no bem-estar e na saúde humana pelo ruído.

Será então que o ruído se está a tornar numa causa ignorada que nos pode conduzir à morte?

Fontes:

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/porto-e-a-cidade-mais-ruidosa-num-pais-que-e-dos-mais-expostos-ao-barulho-1712202

http://www.porto24.pt/cidade/avenidas-do-porto-tem-ruido-a-mai/

http://jpn.up.pt/2005/09/23/niveis-de-ruido-do-porto-nao-sao-preocupantes/

http://www.cm-porto.pt/gestao-de-ruido/planeamento-estrategico

https://sigarra.up.pt/feup/pt/NOTICIAS_GERAL.ver_noticia?p_nr=9781

http://www.amplifon.com/Medici%20Nes/ENG/Consensus_Coping%20with%20Noise%20ENG.pdf

 

Alunos envolvidos no projeto: Bernardo Grade, Catarina Wright, Inês Sampaio, Joana Gomes, Teresa Torres

Escola: Externato das Escravas do Sagrado Coração de Jesus

Data: 20.04.2016

Partilha esta reportagem em