Rio Febros, um tesouro a desfalecer

Rio Febros, um tesouro a desfalecer

O Rio Febros é um afluente do rio Cávado, que desagua na sua margem direita, na vila de Prado, concelho de Vila Verde, distrito de Braga. Ao longo do seu percurso foram surgindo habitações, construídos açudes e instalados muitos moinhos de água, que denunciam o seu valor e potencial económico para as populações ribeirinhas.

Nasce no Monte Saboroso, em Dossãos, atravessando campos de cultivo e de lameiro, passa pela freguesia de Travassós, por Nevogilde, Carreiras Santiago, Carreiras São Miguel, Moure, Lage e por fim pela freguesia de Prado.Caminhada1

O nome “Febros” surgiu devido à passagem deste rio por um lugar que se chama ”Febros” da freguesia da Lage. No entanto, na sua passagem pelas diferentes freguesias, vai recebendo outros nomes.

O rio está atualmente a ser atingido pela poluição, que embora não muito visível, aqui e ali, começam a ver-se restos de plásticos agrícolas e de produtos domésticos, que vão aumentando à medida que nos aproximamos de Prado, onde já é preocupante a quantidade de lixo, principalmente plásticos, presa nas suas margens. Isto poderá levar a que mais tarde, este rio seja gravemente afetado.

O rio Febros é realmente importante para a população, pois este rio sempre foi e continua a ser utilizado na moagem de milho, apesar de agora já não haver tantos moinhos a funcionar. Antigamente, também esta água era bastante limpa, o que fazia com que as pessoas pudessem dar de beber aos animais e também para lavar a roupa. Atualmente, ainda existem alguns tanques a ser utilizados.

A sua principal utilidade atual continua a ser a rega dos campos de milho e de forragem para os animais. Com a sua poluição, algumas destas atividades já estão a ser condicionadas, no seu percurso final.

O rio Febros ainda tem peixes, como trutas e barbos, que no tempo de pesca, algumas pessoas aproveitam para ir pescar.

De facto, este rio é bastante importante para a população o que significa que o temos de proteger, para que a nova geração possa continuar a usufruir do mesmo.

Nesse sentido, a escola tem tentado promover a sua proteção, promovendo caminhadas ao longo do seu percurso, de forma a dar a conhecer o seu património e importância e assim alertar para a necessidade da sua proteção, antes que seja tarde!

Trabalho elaborado por:
Escola Básica de Moure e Ribeira do Neiva

Alunos envolvidos no projeto: Sara Sousa , 8ªA

Data: 16/03/16

Partilha esta reportagem em