Quero pagar só o lixo que faço

Sabendo da existência de um sistema em Guimarães, onde os cidadãos só pagam pelo lixo que produzem (PAYT), os Jovens Repórteres para o Ambiente (JRA) da Escola Básica Integrada da Boa Água (EBIBA) resolveram tentar perceber se os quintacondeneses estariam dispostos a aderir a um sistema idêntico.


Sabendo da existência de um sistema em Guimarães, onde os cidadãos só pagam pelo lixo que produzem (PAYT), os Jovens Repórteres para o Ambiente (JRA) da Escola Básica Integrada da Boa Água (EBIBA) resolveram tentar perceber se os quintacondeneses estariam dispostos a aderir a um sistema idêntico.

Distribuição das eco-dicas

Inquéritos e ação de sensibilização no Mercado Municipal da Quinta do Conde

No dia 18 de março, os JRA da EBIBA dirigiram-se ao Mercado Municipal da Quinta do Conde (MMQC) decididos a ajudarem os quintacondenses a produzirem menos resíduos e para tentarem perceber se estes estariam dispostos a pagar só pelos resíduos que produzem.

Integrado no projeto Litter Less campaign, os JRA da EBIBA elaboraram marcadores de livros com dicas ecológicas que distribuiram aos utentes do MMQC e, simultaneamente, explicaram o sistema Pay-as-you-throw (PAYT). Depois de explicado este sistema que já existe em Guimarães, os utentes do mercado foram questionados sobre o seu interesse em aderir a um projeto deste género.

O resultado obtido pelos JRA foi bastante esclarecedor, dos 85 utentes questionados, 80 responderam positivamente, o que significa que, nesta amostragem 94% dos inquiridos estariam dispostos a pagar só pelos resíduos que produzem em vez das taxas que já pagam hoje em dia.

A maioria das pessoas que foram abordadas pelos JRA afirmaram que já separam a maioria dos resíduos que produzem, inclusivamente os óleos alimentares usados que têm por hábito colocar no “oleão” existente neste mercado, consideram assim uma injustiça pagarem as mesmas taxas que as pessoas que não o fazem.

O sistema (PAYT), já existente em Guimarães, funciona da seguinte maneira:

– a VITRUS( empresa municipal VITRUS Ambiente, EM, SA), responsável pela gestão dos resíduos sólidos urbanos no concelho de Guimarães, vende os sacos para os resíduos indiferenciados e oferece um miniecoponto por cada habitante ou comércio;

– os sacos são previamente adquiridos nas instalações da VITRUS ou diretamente na viatura de recolha;

– a recolha é efetuada por duas viaturas elétricas, que percorrem todo o centro histórico nos diferentes períodos do dia, permitindo que o cidadão entregue diretamente o seu saco de lixo indiferenciado ou reciclável;

– através de um dispositivo móvel, é feita a leitura do identificador do saco(código de barras);

-.a viatura elétrica de recolha do lixo efetua várias passagens diárias todos os dias da semana, sendo que às sextas e sábados há uma passagem extra mais tarde que o habitual;

– estima-se que cada particular vimarenense gaste dois sacos por semana, a um custo de 0,25 euros o que dará um custo mensal de aproximadamente 1,25 euros.

Em Guimarães, na fase inicial da implementação deste sistema, os sacos são gratuitos.

Os utentes do MMQC evidenciam vontade de aderir a um sistema que fomente somente o pagamento do lixo indiferenciado que cada um produz e que recompense a consciência ambiental de quem separa corretamente os resíduos que produz.

 

 

 

Alunos envolvidos no projeto: Inês Pinto

Escola: Escola Básica Integrada da Boa Água

Data: 31.03.2016

Partilha esta reportagem em