Poluição luminosa é o tipo de poluição provocada pela luz excessiva ou obstrutiva criada por humanos. A poluição luminosa interfere nos ecossistemas, causa efeitos negativos à saúde, ilumina a atmosfera das cidades, reduzindo a visibilidade das estrelas e interfere na observação astronómica.

Aqui está representado uma das formas de poluição luminosa no concelho de Gondomar.

Efeitos no ecossistema

A variedade das condições ambientais contribui para a separação dos recursos e para uma maior biodiversidade. Alguns processos naturais só podem acontecer durante a noite, em plena escuridão, como por exemplo, repouso, reparação do sono, navegação celestial, predação ou recarga dos sistemas. Por esta razão, a escuridão possui igual importância à luz do dia. É indispensável para um funcionamento saudável dos organismos e de todo o ecossistema.

A perturbação dos padrões naturais de luz e escuridão influenciam vários aspetos do comportamento animal. A poluição luminosa pode confundir a navegação animal, alterar interações de competição, alterar relações entre presas e predadores e afetar a fisiologia do animal.

O estudo sobre a poluição luminosa ainda se encontra no início e por isso os impactos deste problema não são, ainda, totalmente compreendidos. Enquanto que o aumento da claridade do céu noturno representa o efeito mais familiar entre outros tantos (é o mais óbvio e os astrónomos já o reconhecem há muitos anos), outros aspetos alarmantes ainda se encontram por explorar, como por exemplo, o facto de a poluição luminosa conduzir a um maior gasto de energia elétrica. Numa escala global, aproximadamente 19% de toda a eletricidade consumida é utilizada na iluminação pública noturna. O produto final da iluminação elétrica gerada pela queima de combustíveis fósseis provoca o aumento dos gases do efeito estufa. Estes gases são responsáveis pelo aquecimento global e pela exaustão dos recursos não-renováveis.

A poluição luminosa produz muitos outros impactos no ambiente. Efeitos perigosos envolvem o reino animal, o reino vegetal e a humanidade. Para além de ser eminentemente prejudicial para os animais noturnos, migratórios e para os animais em voo. A poluição luminosa produz também riscos para as plantas.

Quais os efeitos da poluição luminosa nos humanos?

Sistemas de iluminação inadequados estão relacionados a diversos problemas de saúde. A iluminação noturna pode alterar os ritmos circadianos (transtorno do ritmo do sono), causando problemas de sonolência. Além disso, a quebra dos ciclos circadianos também pode estar associada a problemas como depressão e cancro.

Quais os efeitos na poluição luminosa nos animais?

Aves– O efeito da luz na forma de fogo ou lâmpadas que atrai aves migratórias e não migratórias durante a noite, especialmente na presença de nuvens ou nevoeiro, já é conhecido desde o século XIX e desde então tem sido utilizado como uma forma de caça. As razões que justificam a desorientação das aves através de luz à noite ainda não são conhecidas. Os especialistas sugerem que a navegação das aves que usam o horizonte como orientação para a direção é interrompido pela claridade.

Tartarugas marinhas – A luz artificial provoca graves efeitos nas fêmeas de tartarugas, que procuram locais para postura, e nos filhotes, que têm que encontrar o mar. A fêmea evita praias iluminadas para a postura e concentra os ninhos num local com o mínimo de iluminação e zonas com sombra. Isto pode causar uma seleção inadequada de um habitat para nidificação ou uma grande concentração de ninhos, com efeitos no número e taxa de reprodução dos filhotes e uma maior mortalidade dos mesmos.

Aqui está representada a reação de confusão das tartarugas marinhas ao verem a luz artificial das cidades.

Peixes – A reação dos peixes à luz artificial depende das espécies. Existem estudos importantes sobre o uso da luz artificial em piscicultura e peixes de profundidade. Muitos dos estudos mostram que os peixes evitam fontes de luz branca. Contudo, existem espécies que são atraídas pela luz e isto é utilizado para os apanhar, por exemplo, nas pescas industriais ou, mesmo, desportivas. Um estudo sobre técnicas de iluminação nos peixes, mostra que a luz branca interrompe o comportamento natural dos peixes do mar profundo. As observações mostram que a “média do número de peixes que aparece na câmara é muito mais elevada sob luz vermelha do que com luz branca”. As razões são a adaptação dos olhos dos peixes do mar profundo a um ambiente escuro e possíveis danos nos olhos devido a luzes mais brilhantes.

 

Quais os efeitos da poluição luminosa na astronomia?

À noite, com as luzes das cidades, não conseguimos visualizar as estrelas, e outros astros, como os planetas Marte e Vénus, pois a claridade destas luzes ofuscam-nos. Os cientistas que estudam astronomia, tem de montar os seus telescópios em sítios altos e longe das cidades para que não haja interferência da luz das cidades nas suas observações do espaço.

Como prevenir a poluição luminosa?

A poluição luminosa pode ser facilmente solucionada diminuindo os locais de incidência e intensidade da luz, o que consequentemente leva à redução do consumo de energia elétrica.

Um exemplo disso são os sensores que acendem a luz automaticamente somente quando necessário. Além disso, os postes de iluminação pública podem projetar a luz em direção ao solo evitando iluminar locais que não precisam de iluminação.

Por estas razões, algumas cidades do mundo já apresentam propostas para diminuir o excesso de poluição luminosa com ações que reduzem a luz durante a noite, como desligar as placas luminosas de comércio, os outdoors, locais turísticos, entre outros.

Além disso, a própria população deve ter consciência destes fatores e utilizar a luz somente quando for preciso e o tempo estritamente necessário.

 

Alunos envolvidos no projeto: Beatriz Pinto, Marta Barbosa, Leonor Moreira, Gonçalo Matos

Escola: Agrupamento de Escolas de Rio Tinto

Data: 13.06.2019

Partilha esta reportagem em