Plastic soup – uma ameaça cada vez mais real

Contradizendo o que algumas pessoas ainda pensam, o plástico não é apenas devastador dos ecossistemas marinhos, mas também termina nos nossos pratos. Cada vez mais plástico flutua nos oceanos e mares ou se deposita nos seus leitos . Originados do lixo irresponsavelmente abandonado, de redes de pesca descartadas, de escovar os dentes ou de lavar roupas sintéticas, toneladas de resíduos plásticos têm vindo a formar gigantescas ilhas de plásticos tóxicos (plastic soups), que ameaçam a vida marinha mas também a humana.


Os vários tipos de plástico

A poluição por plásticos e microplásticos ameaça a vida marinha como a conhecemos e os humanos também. Dados disponíveis estimam que, pelo menos, 100 a 150 milhões de toneladas de resíduos plásticos estão flutuando nos mares e oceanos. As estimativas sugerem que, por ano, aproximadamente 8 milhões de toneladas de resíduos plásticos são adicionados à sopa de plástico. A maior parte da poluição vem da terra. Pelo menos 80% do lixo plástico no mar é despejado pela indústria e pelos nossos desperdícios em terra e transportado para o mar pelos rios, portos e pelo vento. Por outro lado, também,  a pesca e a indústria offshore são importantes mas contribuindo com “apenas” 20%.

O plástico não se desintegra em substâncias orgânicas. Formaram-se Plastic Soups,  gigantescas, que se  estão tornando tóxicas, por causa do sol e as ondas os  plásticos partem-se em pedaços menores, e quando isso acontece, libertam-se  substâncias tóxicas que acabam entrando no nosso ecossistema através da nossa comida. O problema é que os oceanos são nossos fornecedores primários de oxigénio e alimentos, mas , como o plástico não é biodegradável, muitas vidas marinhas desaparecem e um dia poderemos até perder toda a vida marinha. Estamo-nos afogando em plástico e é necessário agir.

Por outro lado, o plástico simplesmente divide-se em pedaços cada vez menores de plástico. Essas minúsculas partículas de plástico podem tornar-se tão pequenas quanto as algas e o plâncton, a base de muitos alimentos de espécies marinhas. Eles têm um cheiro sugestivo para os peixes, criado por sua “assinatura química”, como um estudo recente feito por Matthew Savoca, ChrisTyson, Michael McGill e ChristinaJ. Slager mostrou, “Evidências recentes sugerem que a assinatura química de detritos plásticos pode explicar por que certas espécies estão predispostas a confundir plástico com comida”. Quando um micro plástico que chega ao tamanho do plâncton é comido por um peixe pequeno, ele se sente “totalmente saciado” e acumula-se no seu sistema digestivo sem lhe dar nenhuma nutrição, o que obviamente o mata.

Espécies como camarão, aves e peixes consomem esses micro-plásticos. Os químicos plásticos podem então ser absorvidos pelos predadores dessas espécies e isso acaba afetando toda a cadeia alimentar. Se um peixe que consumiu micro plástico é comido por um maior, o peixe grande também é afetado devido aos microplásticos que ele ingeriu indiretamente. Esses peixes acabam no nosso prato. Isso nos torna um consumidor de micro plásticos. Os peixes não são os únicos que consomem microplásticos, uma grande quantidade de outras criaturas marinhas também está consumindo micro plásticos, moluscos, que podem filtrar micróbios e microplásticos.

Como o plástico chega ao oceano?

De acordo com a Dutch Ocean Cleanup Foundation, “Os rios são uma importante fonte de resíduos plásticos nos oceanos. Estimamos que entre 1,15 e 2,41 milhões de toneladas métricas de plástico atualmente entram no oceano todos os anos via rios ”.

Há outras maneiras pelas quais os resíduos chegam ao oceano: redes abandonadas pelos pescadores, que se enredam nos animais marinhos ou são , parcialmente, ingeridas; fibras de roupa – de acordo com um estudo realizado pela União Internacional para a Conservação da Natureza “partículas de plástico lavadas de produtos como roupas sintéticas contribuem para 35% do plástico poluindo nossos oceanos”.

Quando lavamos nossas roupas, elas soltam fibras que as ETARS não conseguem filtrar, então elas entram diretamente no oceano.

Os Cosméticos também são outro poluidor de plástico oceãnico. Vários são feitos com ingredientes microplásticos que são libertados quando lavamos nosso rosto ou tomamos banho. Essas microesferas não podem ser filtradas pelas ETARS, devido ao seu pequeno tamanho, então elas basicamente se dirigem diretamente para o oceano.

 

Então, uma pergunta deve ser feita… O que podemos fazer?

Pratique uma dieta de plástico

Madhuri Prahakar, da Plastic Soup Foundation, sugere “Concentre-se em não o deixar chegar ao oceano”.

Existem várias maneiras. Uma delas é praticando uma dieta de plástico, um plano que reduz a quantidade de plástico que usamos nas nossas rotinas diárias. A Plastic Soup Foundation dá dicas simples: “Evite materiais sintéticos (poliéster, nylon, acrílico, poliamida, spandex, rayon…), todos eles são tecidos sintéticos e quando lavados, partem em pedaços menores, menores que 5mm. Evite-os o quando puder e substitua por lã, algodão, linho, seda ou outros tecidos naturais.

Isso vale para roupas ou qualquer outro tecido que compra para sua casa. (…) Use apenas tábuas de madeira para a cozinha. São muito melhores para a sua cozinha, tanto em termos de qualidade como de estética. Não precisa usar as finas placas de plástico que podem ser facilmente arranhadas e fatiadas com suas facas, assim, não corre o risco de pequenas aparas de plástico entrarem na sua comida! ”.

Envolver os alunos – Organizar campanhas (campanhas de consciencialização e limpeza)

 

A Escola Secundária de Caneças organiza um plano de campanha de dois anos para tornar a comunidade escolar mais consciente do impacto letal do plástico e que “estamos comendo plástico”

De acordo com as coordenadores do programa Eco-Escolas “informar a população sobre os factos e o seu impacto é essencial. É preciso envolver as pessoas em campanhas (…) Não apenas campanhas de consciencialização… mas campanhas de limpeza, para fazer os alunos e suas famílias se envolverem! Nós aderimos ao projeto Coastwatch para começar. E os alunos envolvidos responderam entusiasticamente! (…)

É um projeto de dois anos. Envolve projetos de pesquisa dos nossos alunos e contactos com fundações nacionais e internacionais, como o Skeleton Sea Português e a Dutch Soup Foundation, organizando campanhas de limpeza e usando a  arte para atrair a atenção das pessoas.

Convertendo plástico em arte.

“Skeleton sea” foi criado para usar plásticos e lixo, que recolhem em limpezas de praia,. Algumas peças de arte são mundialmente famosas. Alguns exemplos são “Tiger Shark”, “Polvo incógnito”, “Lulu fish” e “Miss flip-flop”.

Como a  Eliana Jesus (aluna do 12º ano do curso de arte) nos disse: “A arte é uma boa maneira de espalhar a mensagem pelo facto de ser visual e atrair a atenção das pessoas com mais facilidade. Deve ser usado para consciencializar as pessoas sobre questões importantes como o impacto do plástico nas nossas vidas. ”

Exposição de trabalhos de alunos

“A Minha peça “Explosão””, A Eliana explicou-nos, “usa parte de um corpo humano (humanidade) vomitando plástico, estamos sufocando em resíduos de plástico e precisamos “vomitá-lo” de nossas vidas. Somos cada vez mais dependentes de plástico, um material que é prejudicial para as espécies marinhas e a longo prazo para nós.”

Este é um problema muito sério, cientistas prevêem que, em 2050, haverá mais plástico no oceano do que peixes. A ação é necessária.

 

 

Alunos envolvidos no projeto: Leandro Cruz; Helder Moreira; Íris Gonçalves; Catarina Fiães

Escola: Escola Secundária c/ 3º ciclo de Caneças

Data: 15.06.2019

Partilha esta reportagem em