Os Simpsons à procura do céu sem poluição luminosa – ‘Scuse Me While I Miss the Sky

A poluição luminosa é um fenómeno desconhecido e preocupante para o qual todos contribuímos sem saber. Sendo um conceito muito abstrato para explicar, nada melhor do que visualizar um episódio dos velhos e sempre atuais Simpsons, uma série de animação que acompanha várias gerações e aborda este conceito.


A poluição luminosa tem consequências incalculáveis porque influencia a vida humana e provoca alterações graves no bem-estar e sobrevivência dos animais. Situação esta referenciada num episódio dos Simpsons, alertando adultos e jovens para um tema pouco conhecido e inexistente na prioridade das pessoas, achando que não é um tipo de poluição.

Esta série é uma paródia satírica ao estilo de vida da classe média americana (ocidentais), encarnada pelo famoso Homer e toda a sua engraçada família. Esta satirização da cultura da sociedade norte-americana, e vários aspectos da condição humana, tem uma qualidade que lhe confere uma atualidade invejável. A série é conhecida pelas previsões acertadas, eleição de Trump (episódio de 2000), ou a epidemia de Ébola, (referenciada em 1997) muito antes de estes ocorrerem. Mas esta série tem também fundamento científico de excelente qualidade, possui guionistas como  J. Stewart Burns, Al Jean e Ken Keeler, matemáticos ou David X. Cohen e Jeff Westbrook, ambos físicos, todos formados pela Universidade de Harvard. Daí se poder depreender a qualidade e fundamentação dos episódios.

O episódio 16, temporada 14, ´Scuse Me While I Miss the Sky, em português “Eu Quero Ver o Céu” transmitido pela primeira vez em 2003. Neste episódio, um jornalista entrevista vários alunos da escola sobre os desejos para o futuro deles, e um desses alunos é Lisa Simpson, a melhor aluna da escola. Quando entrevistada, o jornalista confronta-a com a incapacidade de ter um futuro profissional definido e de sucesso, à altura do seu desempenho escolar. Esta situação desponta em Lisa a necessidade de encontrar uma carreira profissional que a preencha e que lhe garanta sucesso. Após algumas ideias, chega à conclusão que a astronomia seria uma opção à altura das capacidades dela e de grande interesse. Considera, então, necessário adquirir um telescópio , ferramenta de astrónomo, e  convence o pai a comprá-lo, preparando-se também para observar a  grande chuva de meteoros que  se aproxima. Usando o (seu) telescópio, decide explorar os céus da noite de Springfield, busca Vénus, que se perde na luz produzida por um evento local, vai à busca de outro planeta, mas  percebe que existe iluminação que a impede de poder explorar o céu. Observa que a chamada poluição luminosa é provocada pelo desperdício na iluminação urbana de Springfield, mas também pela poluição atmosférica. As partículas poluentes em suspensão refletem e difundem a luz das lâmpadas, apagando o brilho das estrelas. Existem casos em que, até mesmo as nuvens refletem o brilho das luzes artificiais, retirando ainda mais a magia celestial.

Apercebendo-se que este facto a impossibilita de ver a chuva de meteoros que se aproxima, ou mesmo as simples estrelas do céu, Lisa decide lutar para terminar com esta privação de liberdade, cria uma petição e move os cidadãos para que a iluminação de toda a cidade seja reduzida e desta forma apreciar o estrelar celeste. Em 2003 esta série já alertava para a necessidade de proteger os nossos direitos, prevendo a luta através de uma petição, de um direito sociocultural e ambiental, a um céu noturno não poluído, sendo fundamental que a degradação do céu noturno deva ser vista como uma perda fundamental para toda a sociedade.

Iluminação pública muito mal concebida (Springfield vs Braga)

A petição da Lisa já preconizava o que só viria a acontecer, 4 anos depois, através da declaração sobre a Defesa do Céu Noturno e o Direito à Luz das Estrelas realizada em Las Palma (Canárias, Espanha 2007). Através da petição da pequena personagem amarela, a noite da cidade ficou protegida da poluição luminosa, dando a conhecer a beleza do céu noturno.

Iluminação pública de melhor eficácia (Springfield vs Braga)

 

 

 

Iluminação pública de má qualidade

No episódio, a ausência de luz artificial  levou ao aumento dos atos de vandalismo, fazendo com que  Quimby, o presidente da câmara, recebesse inúmeras reclamações relativas ao aumento do vandalismo a coberto da escuridão noturna, em que o povo enfurecido liga a noite à criminalidade. Como “bom político” decide voltar atrás pela pressão dos seus eleitores e colocar a iluminação pública a níveis elevadíssimos, criando noites tão claras quanto o dia. Mas isso impede aos habitantes uma boa e reparadora noite de sono, provocando alterações dos ciclos de sono. Os animais alteram os seus comportamentos naturais e a família Simpson também sofre com a privação de sono. Como a luz é um sincronizador forte do ritmo circadiano, a exposição constante à luz brilhante (luz do dia ou luz artificial com intensidade de 5000 a 10000 lux) pode causar distúrbios gastrointestinais, cardiovasculares e até disfunções sócio-familiares. Esta luz estimula os fotorreceptores, que mantém ajustado o funcionamento dos órgãos do corpo a desempenhar as suas funções. Ficando expostos à iluminação da noite, o relógio biológico fica desregulado, levando a um descontrolo de algumas funções do nosso corpo. E esta situação mostra que iluminar a noite altera comportamentos e ciclos de vida. A neurocientista Tracy Bedrosian descobriu uma relação entre exposição luminosa noturna e depressão, o ritmo circadiano fica desregulado, desencadeando desordens a nível do humor, problemas metabólicos e certos tipos de cancro.

Em Springfield, podemos observar que a iluminação, apresentada por alguns candeeiros é incorreta, não iluminando somente a área que interessa iluminar. Cada candeeiro ou projetor deve refletir somente para baixo a luz, e não para os lados e para cima, tal como aparece noutra sequência deste episódio. Deve ser uma preocupação de todos nós melhorar a iluminação pública, a nível da área, ajuste da potência e consumo de energia.

Solução para diminuir o efeito negativo da poluição luminosa junto ao Observatório Astronómico de Braga

Lisa e Bart aproveitam a suscetibilidade provocada pela privação de sono do pai para desta forma conseguirem desligar a iluminação de toda a cidade e, assim, restauram a noite de Springfield, repondo os padrões normais aos animais e pessoas. Obtiveram a hipótese de, a tempo, observar a tão esperada chuva de meteoros.

Esta excelente animação revela a problemática da poluição luminosa e tudo o que se perde com ela. Dá-nos a conhecer o mundo da astronomia e a valorização do conhecimento dos astros. Este episódio também foi nomeado para Environmental Media Award para melhor episódio de comédia da Televisão. O diretor Steven Dean Moore ganhou um Annie Award na categoria de Melhor Animação para Televisão.

 

Alunos envolvidos no projeto: Luís Martins

Data: 20.05.2018

Partilha esta reportagem em