O que terá mudado após os incêndios de 2017?

Depois dos incêndios, surge nova legislação mas também cresce a solidariedade social. Após os incêndios florestais de 2017, ocorridos em território continental português, foi publicada nova legislação para Proteção Civil, como por exemplo: a limpeza de 50m de raio à volta da habitação (corte de arbustos, árvores, mato,…) e de indústrias.


Uma das preocupações dos ambientalistas com a nova legislação é que as pessoas

para a cumprirem, sem darem conta, podem estar a infringir outra Lei, podem chegar a cortar algumas plantas protegidas como o sobreiro que, para além de ser uma árvore protegida, também é uma árvore contra fogo.
O Governo, por causa da tragédia que houve no ano passado, tomou novas medidas para eventuais futuros incêndios, como por exemplo a aquisição de novos meios aéreos de combate aos fogos, o enterramento das linhas de comunicação para evitar a combustão das mesmas durante um incêndio, a profissionalização do modelo de combate aos fogos, um papel mais ativo das Forças Armadas e o reforço da resiliência do território (nomeação e contratação de 100 equipas de sapadores, 50 vigilantes da natureza e um projeto de voluntariado jovem), entre outras medidas.
Os Municípios que foram afetadas pelos incêndios já começaram a restaurar os danos que os fogos causaram, mas o subsídio que o Governo deu às câmaras nem dá para 1/4 das despesas.

 

O Futuro do nosso país depende de todos nós, mas sem esforços e ajuda das entidades competentes não vamos conseguir muito, pois a resolução desses problemas devia depender maioritariamente dessas entidades, embora contando sempre com a solidariedade social das populações.
No concelho de Castelo Branco, a ação da população já se está a fazer sentir: por exemplo, no dia 17 de março, vai começar a 1ª fase de reflorestação da Serra da Gardunha, para a qual se esperam muitos voluntários.

 

Alunos envolvidos no projeto: André Lucas

Escola: Escola Cidade de Castelo Branco

Data: 28.02.2018

Partilha esta reportagem em