Sendo considerado um dos maiores espaços verdes do concelho de Mafra, com cerca de 833 hectares de extensão, a Tapada Nacional de Mafra possuí uma grande biodiversidade seja na fauna como na flora. A Tapada faz as delícias os Mafranses desde do tempo de D. João V, mas o importante a referir sobre este espaço é mesmo a sua riqueza natural e aquilo que proporciona aos seus visitantes bem como aos “seus vizinhos”.


A Tapada de Mafra é bastante conhecida pelos seus javalis e gamos contundo a fauna desde lugar ultrapassa estes animais dado que, existem vários “bichos” de outras classes. Este espaço possuí vários exemplares de aves, não só de rapina, tais como o Gavião, o Açor ou o Pisco de Peito Ruivo, todavia são preservadas outras entre espécies de anfíbios (como o Sapo-de-unha-negra ou a Salamandra-de-costelas-salientes) e répteis (como a Cobra-de-água-de- colar e a Víbora-cornuda).

Porém esta biodiversidade passa, ao mesmo tempo, pela flora onde é visível várias espécies de árvores tais como o Carvalho Português, o Sobreiro, o Choupo, o Plátano ou a Olaia.

Mas, a principal característica da Tapada Real de Mafra é a grande diversidade de árvores e arbustos que a transformam no principal espaço verde do concelho assim como o “pulmão” do mesmo. Como consequência deste rótulo, a qualidade de ar do concelho é sensivelmente melhor (facto que é visível através dos musgos e liquens existentes na região) do que em grandes cidades tais como Lisboa ou Porto.

Em 2004, mais de metade da Tapada ardeu devido a um grande incêndio que atingiu a região de Mafra, no qual metade da população de lobos morreu. Atualmente, a população de lobos voltou a crescer, assim como, as restantes espécies ardidas permitindo estudos e análises devido à riqueza da biodiversidade da Tapada Nacional de Mafra.

“É um ótimo sítio para o tempo com a família” quem o afirma é Constança Farinha, Mafrense de gema, demonstrado não só o carácter educativo e ambiental da Tapada de Mafra, mas também o carácter lúdico do mesmo.

 

 

Alunos envolvidos no projeto: Susana Santa Rita

Data: 03.02.2019

Partilha esta reportagem em