O potencial da extinção dos linces na Ibéria

As espécies, ao longo do tempo tendem a evoluir ou são extintas, seja por causas naturais, seja pela influência do Homem. Na Península Ibérica, o lince-ibérico é uma das espécies que tem vindo a causar preocupação, na medida em que se tem verificado uma diminuição significativa no seu número, muito devido à ação humana. Se o lince-ibérico se extinguir, prevê-se que venha a afetar o equilíbrio dos ecossistemas, na medida em que é um predador, estando no topo da cadeia alimentar. Contudo, há medidas que podem vir a ser tomadas de forma a obviar esta situação, havendo inclusive já algumas em implementação.


As espécies, ao longo do tempo tendem a evoluir ou são extintas, seja por causas naturais, seja pela influência do Homem. Na Península Ibérica, o lince-ibérico é uma das espécies que tem vindo a causar preocupação, na medida em que se tem verificado uma diminuição significativa no seu número, muito devido à ação humana. Urgem então perceber quais as consequências da eventual extinção desta espécie e as ações que importa levar a cabo para evitar que tal aconteça.

O lince é um animal mamífero do género Lynx. Habita na Terra há cerca de 7,2 milhões de anos, sendo que há registos do lince-ibérico (Lynx pardinus) desde há cerca de 1,18 milhões de anos (devido a sua separação da espécie lince-euroasiático). O lince-ibérico é um animal carnívoro que habita em bosques, mato denso, matagal e zonas onde haja vegetação arbustiva em abundância. Esta espécie pode ser encontrada em Espanha e Portugal onde a sua dieta é à base de roedores, aves, crias de cervídeos e em particular do coelho-bravo. O Lynx pardinus é um animal que tem a sua atividade predominantemente durante a noite e apresenta uma cauda curta com tufos de pelo preto, com um padrão de pintas pretas ao longo do seu corpo e no seu ventre, a pelagem é muito clara. Esta espécie é solitária, pois aos 20 meses de idade tornam-se independentes. Em janeiro-fevereiro inicia-se a época de acasalamento, sendo costume terem duas crias.

Imagens do lince-ibérico, adaptado do Jardim Zoológico (Lisboa)

Imagens do lince-ibérico, adaptado do Jardim Zoológico (Lisboa)

Contudo, esta espécie encontra-se em perigo, havendo registos de que nos últimos 20 anos os espécimes de lince-ibérico têm diminuído cerca de 80%, devido à perda do seu habitat, à caça, a atropelamentos e a envenenamentos. Tem contribuído também para este fenómeno, as doenças virais da sua principal fonte de alimentação, o coelho-bravo.

Se o lince-ibérico se extinguir, prevê-se que venha a afetar o equilíbrio dos ecossistemas, na medida em que é um predador, estando no topo da cadeia alimentar. A sua extinção irá provocar uma superpopulação de herbívoros, nomeadamente do coelho-bravo, aumentando com eles o consumo das espécies arbustivas, aquela que é a base da sua alimentação, e com isso a diminuição do potencial de sequestro de carbono pelas plantas, o que dificultará também a luta contra o aquecimento global.

Contudo, há medidas que podem vir a ser tomadas de forma a obviar esta situação, havendo inclusive já algumas em implementação, como é o caso da criação de zonas de cativeiro para a conservação desta espécie, a criação de programas de recuperação para o coelho-bravo, assim como treinar cães para a deteção precoce de venenos (uma ação que tem vindo a ser implementada em Mértola, pelo Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR).

 

Fontes:

 

Alunos envolvidos no projeto: Catarina Duarte de Freitas

Escola: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Data: 12.01.2019

Partilha esta reportagem em