Horta urbana comunitária para uma cidade nova

Em Braga, existe um aumento significativo de campos agrícolas o que contribui para um ambiente mais limpo. Nas áreas urbanas, a atividade agrícola de subsistência, materializada sob a forma de hortas permite uma melhoria da qualidade ambiental, sendo relevante para a manutenção da qualidade do solo, da biodiversidade e, consequentemente, da estrutura ecológica.


A residente Eulália Pereira possui uma horta urbana, há cerca de três anos e meio, a Horta Urbana Comunitária das Lameiras.

Horta Urbana Comunitária das Lameiras
Foto: Diana Pires

Uma horta comunitária é um espaço organizado, dividido em parcelas que são cedidas gratuitamente para serem utilizadas pelos interessados para o cultivo de legumes, hortaliças, plantas aromáticas e medicinais e espécies frutícolas.

Eulália aproveitou uma distribuição de lotes pela junta de freguesia de Nogueiró e Tenões, tendo-lhe sido disponibilizado um talhão.

Houve uma grande motivação por parte de Eulália, que refere “Em primeiro lugar, motivou-me o facto de poder ter produtos biológicos de um modo seguro. Por outro lado, trabalhar na horta é uma forma saudável de descomprimir depois de um dia de trabalho. Por último, também me satisfaz poder contribuir para uma cidade menos poluída e amiga do ambiente.”

 

Afirmou produzir alimentos melhores, não usando fertilizantes químicos, permitindo que os produtos possam manter as suas propriedades naturais e, consequentemente, sejam melhores.

“As hortas biológicas são importantes porque permitem que algumas famílias possam produzir os seus próprios alimentos e também contribuir para um ambiente mais verde, sendo assim mais limpo.” Esta foi a opinião de Eulália perante a importância das hortas biológicas.

A junta de freguesia atribuiu uma única restrição que se refere ao cultivo de árvores que possam causar sombreamento.

“As minhas plantações são feitas maioritariamente na primavera. Começo por plantar os tomates, os morangos, as alfaces, as curgetes, as cebolas, as beringelas, as couves (de vários tipos), as abóboras, a rúcula, ervas aromáticas, etc…”, contou Eulália exemplificando alguns produtos que costuma plantar ou semear.

Como nestes espaços importa potenciar a agricultura biológica como forma de garantir a sustentabilidade ambiental, bem como a produção de espécies vegetais/hortícolas mais saudáveis, utiliza fertilizantes naturais ou compostagem. Explicou que a compostagem é um processo biológico em que os microrganismos transformam a matéria orgânica como folhas, papel e restos de comida e de jardim, num material semelhante ao solo, a que se chama composto.

A Junta de Freguesia de Nogueiró e Tenões disponibiliza água gratuita para cada talhão havendo uma torneira em cada um deles.

Para haver uma cidade nova, as hortas bem cuidadas contribuem para embelezar a cidade. É muito agradável ver um espaço verde numa zona de prédios! “Por isso, devemos ter a horta limpa, eliminando as ervas daninhas, tendo as plantações bem distribuídas e umas flores para ornamentar”, referiu Eulália.

Considerou que as hortas têm uma boa exposição solar, a nascente e a poente, o que lhe permite ter sol durante todo o dia.A presença de árvores no lado poente também favorece no verão uma vez que protege da exposição exagerada ao sol.

E como as colheitas são o produto final de todo o trabalho, Eulália mostrou-se satisfeita com os resultados. Contou que no primeiro ano a produção foi mais reduzida porque a terra ainda não estava devidamente preparada e limpa, uma vez que ainda existiam muitos detritos resultantes das obras de construção civil feitas nas imediações nas redondezas. Mas agora, as colheitas têm sido boas.

 

 

Alunos envolvidos no projeto: Diana Pires

Escola: Escola EB 2,3 André Soares

Data: 31.03.2020

Partilha esta reportagem em