Na Nazaré: fêmeas com características de machos devido ao TBT

Apesar de proibidas deste 1993, o uso de tintas antivegetativas em barcos continua a poluir os ecossistemas marinhos. Estudo realizado entre novembro de 2015 e maio de 2016, na Nazaré, demonstra que há fêmeas de moluscos que possuem características sexuais masculinas. Tornam-se estéreis, pondo em risco o equilíbrio ecológico.


Fêmeas com características de machos revelam poluição pelo químico TBT, na região da Nazaré

Imagem1O desenvolvimento industrial e o fabrico de compostos químicos sintéticos têm provocado diversos problemas nos ecossistemas. Um dos compostos sintéticos que tem causado grandes problemas e que já se encontra proibido em muitos países, incluindo Portugal, é o TBT (tributil-de-estanho), um biocida utilizado em tintas antivegetativas, usadas na prevenção da bioincrustação, ou seja, para evitar o aparecimento de organismos nas superfícies de barcos, os quais promovem a corrosão do casco. É um composto orgânico com estanho, altamente tóxico e letal para vários organismos.

Imagem2

Exemplar de Nassarius reticulatus, recolhido durante o estudo. Possui uma concha em espiral e uma ornamentação em forma de um padrão reticulado.

A exposição ao TBT provoca uma disrupção endócrina que se traduz na masculinização das fêmeas de gastrópodes, ou seja, o aparecimento de características sexuais masculinas (vaso deferente e/ou pénis). Este fenómeno, designado por imposexo, é utilizado como biomarcador da poluição por TBT. Ana Barros, investigadora da Universidade de Aveiro, realça que desde os anos 80 do século XX que está provada a relação causa-efeito entre a exposição ao TBT e o imposexo.

 

Um grupo de alunos do Colégio Valsassina desenvolveu um estudo onde procuraram estudar os níveis de imposexo causados pelo TBT em moluscos da espécie Nassarius reticulatus na região da Nazaré, e dessa forma obter uma bioindicação da contaminação da água.

Para o desenvolvimento do estudo foram recolhidos cerca de 150 exemplares no Porto da Nazaré. A recolha foi realizada com uma nassa com isco. Foram posteriormente analisados em laboratório 116 indivíduos, após seleção dos adultos. De acordo com a investigadora Ana Sousa da Universidade de Aveiro, as normas internacionais para análise de imposexo definem um mínimo de 15 fêmeas como o necessário para a fiabilidade do estudo.

              Imagem4      Imagem5

   Captura de organismos, com recurso a uma nassa, para análise dos casos de imposexo.

Imagem7

Glândula da cápsula e oviduto

Imagem6

Vesícula Seminal

A análise do imposexo foi realizada à lupa. Primeiro determinou-se o sexo e de seguida procedeu-se à medição do tamanho do pénis em machos e em fêmeas e, nestas últimas, à avaliação da Sequência do Vaso Deferente.

 

A  identificação do sexo é baseada na presença de uma vesícula seminal branca nos machos e de uma glândula da cápsula branca e um oviduto alaranjado nas fêmeas. Fonte: Barros et al., 2014.

Os dados obtidos revelam que em 50 fêmeas analisadas 46 apresentam imposexo, o que sugere que, na região da Nazaré, o TBT está presente em altas concentrações.

Quando as fêmeas revelam imposexo, o vaso deferente bloqueia a vulva tornando-as estéreis o que destina a população ao risco de desaparecimento, pondo em risco toda a cadeia trófica, desequilibrando o ecossistema.

 

Nº machos H machos (mm) MPLI (mm) Nº fêmeas H fêmeas (mm) FPLI (mm) VDSI

(média)

I (%)
56 20,93 11,5 55 21,97 6,5 1,97 92

Resultados obtidos no estudo. Determinação do sexo; altura (H); comprimento médio dos pénis dos machos (MPLI); comprimento médio dos pénis das fêmeas (FPLI); estádio de desenvolvimento de imposexo nas fêmeas (VDSI); taxa de incidência de imposexo (I).

Imagem8

Os resultados deste estudo são semelhantes aos apresentados na investigação realizada por Barros et al. (2014), onde se demonstrou a presença de imposexo em Aveiro e em Viana do Castelo.

Ana Barros, investigadora da Universidade de Aveiro, realça que “o imposexo é um fenómeno irreversível”, como tal os resultados obtidos expressam a resposta dos animais a uma acumulação contínua de TBT ao longo da sua vida.

Até ser proibido em 1993

em Portugal, o TBT era muito utilizado em tinta para barcos. Certos estudos (Sousa, 2004; Wergikoski, 2010; Barros et al., 2014; Laranjeiro, s.d.) revelam que muitas zonas da costa portuguesa ainda apresentam casos de imposexo, sendo que redução da presença de TBT nas águas

Imagem9

Fêmea com imposexo (apresenta um pénis desenvolvido, cerca de 15 mm).

está a ser mais lenta do que esperado. Para Ana Barros afirma o TBT não se degrada rapidamente, além de se poder acumular nos sedimentos no fundo do mar. Corroborando, numa investigação realizada pela Agência Portuguesa do Ambiente em 2010 na costa portuguesa, é referido que o TBT está presente em vários organismos, verificando-se uma relação entre a presença deste composto e o índice de imposexo observado nestes organismos.

Para além da legislação a nível nacional há também um enquadramento legal a nível europeu (União Europeia) e internacional sobre o uso de tintas antivegetativas contendo TBT. Os compostos de TBT estão presentes na “Lista de produtos químicos de ação prioritária” da Convenção de Oslo e Paris e também estão listados como substância prioritária na Diretiva-Quadro Água.

Além da monitorização química do TBT, a avaliação de imposexo é também um elemento obrigatório do Co-ordinated Environmental Monitoring Programme da OSPAR[1]. Para Nassarius reticulatus esta organização fixa a média do VDSI num máximo de 0,3, valor acima do qual o objetivo de qualidade ecológica não é atingido. No estudo do Valsassina o valor obtido é de 1,97 (6,6 vezes mais alto).

Esta investigação sugere a ineficácia das medidas legislativas anteriormente introduzidas, assim como a eventual utilização ilegal de tintas com este composto, algo que deve ser investigado. Foram contactados alguns pescadores e donos de embarcações que não confirmaram se usam tintas antivegetativas com TBT.

Este é um problema que para muitos é invisível, pois a maioria dos organismos não morre devido ao TBT, embora possua uma disrupção endócrina. Direta ou indiretamente este é um problema que acaba também por afetar o ser humano.

São vários os desafios levantados por este estudo: como desenvolver novas tintas antivegetativas que sejam funcionais e sustentáveis a nível económico e ecológico? Quais são as consequências para o ser humano da exposição ao TBT?

A capacidade do meio marinho de assimilar substâncias de natureza antropogénica, não é ilimitada. Mas quanto precisamos de esperar para que o TBT deixe de ser um problema?

 

Afonso Mota, Bernardo Alves e João Leal

10º1A. Colégio Valsassina

 

Agradecimentos

Professora Doutora Ana Sousa que, desde a primeira hora mostrou-se disponível para nos apoiar, fornecendo-nos conselhos extremamente úteis. Ajudou-nos a colocar a investigação no rumo certo, supervisionando todas as fases deste e mostrando-se sempre disponível até quando era geograficamente distante.

Dra. Ana Barros que não só nos acompanhou na nossa viagem para recolher Nassarius reticulatus à Nazaré, ajudando-nos em todo o processo de captura, mas também nos forneceu pessoalmente valiosos conhecimentos que nos permitiram identificar as características necessárias nos espécimes para realizar um estudo profissional e correto. A sua disponibilidade, presença e simpatia foram determinantes para o desenvolvimento do trabalho.

 

Administração do Porto da Nazaré, pela atenção e autorização para acesso ao Porto da Nazaré de modo a realizar o trabalho de campo. Sem este apoio não teria sido possível realizar o estudo nesta região.

Prof. João Gomes que não só nos apresentou a ideia inicial do projeto como também nos ofereceu muito apoio ao longo deste, dando-nos conselhos e acompanhando-nos em todas as viagens que realizámos, tanto a nível mental como num plano mais literal.

 

Referências bibliográficas

Barros, A.R.; Mendes, R.T.; Santos, G.C., Sousa, A. (2014) A história de um biomarcador de sucesso: o imposexo em gastrópodes como ferramenta de estudo no ensino experimental das ciências. Revista Captar, Ciência E Ambiente Para Todos. 77, 2, 75-87. 

Laranjeiro, F; Miguez Barroso, C. M.; García Sabell, R. (s.d.). Avaliação do potencial estrogénico de sedimentos do rio Minho através do bioensaio com Potamopyrgus antipodarum. Team Minho. UE. Feder. Disponível em http://www.team-minho.eu/index.php/pt/documentacao/documentacao/category/6-entregables?download=992:entregablea1e3c-relatorio-teamminho-aveiro-imposex, consultado em 2 de maio de 2016.

Sousa, A. (2004). Estudo do impacto da poluição por tributilestanho (TBT) na Costa Portuguesa. dissertação apresentada à Universidade de Aveiro para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências das Zonas Costeiras. Disponível em http://www.cesam.ua.pt/files/Ana%20Sousa%20MSc%20Thesis.pdf. Consultado em 3 de fevereiro de 2016.

Wergikoski, B.;  Cunha, M. A.; Ferreira M.; Viana, P.; Antunes, P.; Gramacho, T.; Pinto, T. (2010). Avaliação dos Efeitos Biológicos de Compostos de Tributil Estanho em Gastrópodes Marinhos e Sedimentos. Laboratório de Referência do Ambiente/Agência Portuguesa do Ambiente. Novembro de 2010. Amadora.

 

Nota: com exceção das fotografias relativas à identificação do sexo, todas as restantes foram tiradas durante o desenvolvimento deste trabalho pelos seus autores.

 

[1] http://www.ospar.org/

 

Alunos envolvidos no projeto: Afonso Mota; Bernardo Alves; João Leal

Escola: Colégio Valsassina

Data: 15.06.2016

Partilha esta reportagem em