Drenagem Ácida condiciona a Biodiversidade na Ribeira de Águas Fortes em Aljustrel

Uma investigação a um troço da Ribeira das Águas Fortes, uma linha adjacente à Mina de Aljustrel, procurou detectar a presença de macroinvertebrados.


2707_aljustrelA drenagem ácida é muito comum nas minas de pirite, e é gerada quando minerais, que se encontram a grande profundidades e que contêm sulfetos, são expostos a ambientes abertos e entram em contacto com oxigénio e água, gerando sulfatos (substâncias ácidas). Estes, quando não controlados, podem contaminar as águas subterrâneas e os cursos de água que circundam a mina.

Uma investigação a um troço da Ribeira das Águas Fortes, uma linha adjacente à Mina de Aljustrel, procurou detectar a presença de macroinvertebrados. Estes, devido à sua sensibilidade aos fatores do meio, podem ser utilizados como um possível bioindicador do estado de linhas de água (Harmitage et. al, 1983 in Alba-Tercedor & Sánchez-Ortega, 1988). Após a recolha de amostras ao longo de uma extensão de 1000m (com amostras de 200 em 200 metros, com início a cerca de 500 metros da sua nascente) e posterior análise, não foi encontrado nenhum macroinvertebrado.

De acordo com a aplicação do índice BMWP* o resultado final é 0. Este é indicativo de que o estado da água da ribeira de Águas Fortes é de classe V, ou seja “águas fortemente contaminadas” (Alba-Tercedor & Sánchez-Ortega, 1988).

Relativamente à biodiversidade vegetal na área envolvente da linha de água estudada, constatou-se ser reduzida, encontrando-se principalmente duas espécies: Lavandula stoechase (Rosmaninho) e Cistus ladanifer (Esteva). Esta última é uma planta tipicamente Mediterrânea e bem adaptada a solos pouco desenvolvidos (Batista et al., 2012), como é o caso do solo em questão

Esta mesma espécie apresenta capacidades para se desenvolverem em locais degradados pela atividade mineira, com baixo conteúdo em nutrientes e com elevados teores de chumbo (Pb) no solo, sem apresentarem evidentes sinais exteriores de stress (Abreu et al. 2012). Talvez seja por uma as poucas plantas aqui identificadas por isso mesmo, por ser das poucas que aqui consegue sobreviver.

Agradecimentos: Este trabalho não teria sido possível de se realizar sem a colaboração de Filipe de Avelar, por toda a disponibilidade e apoio, em particular por ter permitido a realização do trabalho de campo na sua propriedade.

Alba-Tercedor, J. & Sánchez-Ortega, A. (1988). Un Método rápidp y simple para evaluar la calidad biológica de las águas corrientes basado en el de Hellawell (1978). Limnética, 4: 51-56 (1988). Asociación Española de Limnologia. Madrid. Spain.
Batista, M. J. ; Abreu, A. A ; Pinto, M. S. (2006) Contribuição do Cistus ladanifer L. para a atenuação dos efeitos da exploração em algumas minas da Faixa Piritosa Ibérica. Évora. [s.n.]2006. il., 1 figura e 2 tabelas ; Sep. de: VII Congresso Nacional de Geologia : Livro de Resumos, II, 2006, p. 447-450.
Abreu, M.M.; Santo E.S.; Anjos C.; Magalhães M.C.F.; Nabais, C. (2012). Capacidade de absorção do chumbo por plantas do género Cistus espontâneas em ambientes mineiros. Revista de Ciências Agrárias. Disponível online em http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rca/v32n1/v32n1a16.pdf . consultado em 13/10/12.

*http://www.cienciaviva.pt/rede/oceanos/1desafio/Macroinvertebrados%20-%20protocolo.pdf
http://www.cienciaviva.pt/rede/oceanos/1desafio/Macroinvertebrados%20-%20tabela%20familias%20A4.pdf, consultados a 17/11/12.

 

Alunos envolvidos no projeto: Carolina Fonseca; Francisco Paim; Henrique Avelar

Escola: Colégio Valsassina

Data: 16.03.2013

Partilha esta reportagem em