Bioconstrução: uma alternativa para o futuro

No concelho de Castelo Branco, mais precisamente na freguesia do Freixial do Campo, existe uma fazenda com dois hectares cujos proprietários se dedicam à permacultura, de forma a adotar ações que diminuem o impacto causado pelo homem, nomeadamente através da bioconstrução, um tipo de construção onde a preocupação ecológica está presente deste a conceção até à ocupação dos edifícios.


Segundo Matilde Galleguillos e Tom Keewing, proprietários da Fazenda Tomati, que vieram para Portugal no início de 2018, afirmam que quando chegaram ao terreno, este “apenas tinha algumas árvores e uma casa em ruinas”. Os mesmos também referem que fazem bioconstrução, reflorestação e que utilizam os métodos da permacultura e da agricultura sintrópica e regenerativa.

Fazenda Tomati

“Recorremos à bioconstrução pois não precisamos de investir em materiais, basta obtermos argila e areia, que extraímos no próprio terreno, e assim conseguimos fazer quase todas as superfícies internas da casa de forma gratuita e causando um dano menor ao meio-ambiente”, oque segundo Tom Keewing é algo prioritário.

A bioconstrução revela-se uma alternativa válida aos tradicionais métodos de construção, uma vez que na produção do cimento é consumida uma grande

Tijolos feitos à base de areia e argila

quantidade de energia e produzida uma imensa quantidade de resíduos, na extração, oque não acontece na bioconstrução.

Matilde Galleguillos também afirma que esta técnica pode ser utilizada em larga escala, na edificação de grandes habitações, “no Brasil vimos uma moradia construída segundo estes métodos, por isso acreditamos que podemos aplicar a bioconstrução no dia a dia”.

A fazenda tem capacidade para produzir 150 tijolos por pessoa(a cada 10 horas).

Para além da bioconstrução, também se pratica uma agricultura biológica na fazenda, sem o

Horta biológica da fazenda

recurso a quaisquer pesticidas ou herbicidas, uma vez que, segundo os proprietários “os fungos permitem conservar a água no solo, diminuindo a frequência necessária de rega”.

Toda a energia elétrica consumida na Fazenda Tomati provem de painéis fotovoltaicos, que produzem corrente elétrica que, depois de passar pelo inversor é armazenada em quatro baterias. “Tentamos criar um sistema básico de 1200 watts que

fosse capaz de suportar o equipamento que temos que consome mais energia, o liquidificador. Não precisamos de mais potencia, e sabemos que se tivéssemos, isso levar-nos-ia a comprar

Painéis fotovoltaicos que alimentam energeticamente a fazenda

equipamentos que não necessitamos”. Esta filosofia promovida pelos proprietários da fazenda permite que esta apresente bons níveis de eficiência energética.

A água utilizada na fazenda provem de dois poços, segundo Matilde Galleguillos, não sentiram este período de seca de forma tão severa, uma vez que “nenhum dos poços chegou a secar durante o verão”. Essa água é filtrada para posteriormente servir as necessidades domésticas. A água da chuva é aproveitada, sendo armazenada para regadio.

Os resíduos produzidos, ou são conduzidos para a reciclagem ou para a compostagem.

Ecoponto da fazenda

Numa época em que os temas acerca das alterações climáticas e do meio ambiente em geral estão em primeiro plano, podemos considerar a bioconstrução como uma aposta para o futuro na construção civil, tendo em conta as atuais preocupações ambientais?

 

 

 

 

About

 

 

Alunos envolvidos no projeto: Manuel Farias

Escola: Agrupamento de Escolas de Nun´Álvares

Data: 15.04.2019

Partilha esta reportagem em