Ainda é bom viver em Braga? Rio Este e qualidade do ar dizem que não

O famoso slogan ´É bom viver em Braga” de Mesquita Machado, presidente da câmara Municipal de Braga durante quase 40 anos, fará hoje sentido tendo em conta os problemas ambientais de que a cidade sofre?


Em pleno século XXI, e com alguma regularidade, é ainda comum para a população bracarense ver o único rio que nasce no concelho e atravessa a cidade – o rio Este – ser poluído com descargas ilegais que, além da má imagem que deixa, deteorizam a sua fauna e flora. Desde o ano de 2014, essa poluição já motivou mais de 80 denúncias, mas a Câmara Municipal de Braga confessa a sua dificuldade em detetar a origem de muitas dessas descargas, e em resolver a situação.

Por raras vezes, como em setembro de 2019, o serviço de proteção da natureza e do ambiente (SEPNA) da GNR elabora autos de notícias por contraordenação e remete-os depois para a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), devido a situações de poluição do rio, que nasce na serra do Carvalho, em Braga, sendo que o maior problema de poluição surge na zona urbana da cidade.

Frequentemente, o rio Este é alvo de descargas poluentes de atividades industriais, águas de pedreiras e explorações agropecuárias. Contudo, elas também provêm de habitações domésticas e alguns estabelecimentos comerciais cujas canalizações estão diretamente ligadas ao rio.

Segundo dados disponibilizados por aquele serviço da GNR ao jornal Público em janeiro de 2019, o rio tem sofrido descargas a cada 23 dias durante os últimos cinco anos.

Qualidade do ar diminuiu

Num relatório divulgado em outubro do ano passado pela Agência Europeia do Ambiente, a má qualidade do ar continua a colocar em risco a saúde das pessoas, sendo que a maioria dos europeus (90 % das pessoas que vivem nas cidades) está exposta a um nível de poluição do ar, além dos limites recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A má qualidade do ar foi responsável por cerca de 400.000 mortes prematuras na União Europeia (UE) em 2016. Em Portugal, também no mesmo ano, a má qualidade do ar levou a 5.830 mortes prematuras.

No nosso país, segundo um comunicado da Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero, a mortalidade associada à qualidade do ar “ainda é muito significativa”.

Em 2016, a média anual de dióxido de azoto foi superior à permitida pela legislação europeia e nacional nos distritos de Lisboa, Porto e Braga.

Segundo dados da APA, na estação de monitorização da avenida Frei Bartolomeu dos Mártires (S. Vítor), em Braga, a média anual de dióxido de azoto registada (55,3 mg/m3) foi muito superior ao permitido pela legislação europeia e nacional – 40 mg/m3.

Cidade de Braga

 

Em todos estes casos, o tráfego rodoviário é o grande responsável pela ultrapassagem dos valores-limite. Por isso, seria importante tomar medidas para reduzir as concentrações em causa e promover, por exemplo, outras formas de mobilidade, como os transportes públicos, a bicicleta ou a trotineta.

 

Alunos envolvidos no projeto: Manuel Soares

Escola: Escola EB 2,3 André Soares

Data: 26.01.2020

Partilha esta reportagem em