A Educação para a Conservação de Espécies

O Centro Pedagógico do Jardim Zoológico de Lisboa reúne esforços visando a conservação de várias espécies desde 1992


admin-ajaxO Centro Pedagógico do Jardim Zoológico de Lisboa reúne esforços visando a conservação de várias espécies desde 1992, tendo já conseguido grandes feitos, e estando já de mangas arregaçadas para outros projetos e iniciativas.

O departamento da Associação Europeia de Zoos e Aquários – EAZA (European Association of Zoos and Aquariums) foi fundado em 1992 pelo jardim zoológico, tornando-se posteriormente no Centro Pedagógico, cujas instalações foram construídas em 1996. De acordo com Antonieta Costa, a responsável pelo Centro Pedagógico, “a EAZA define os standards dos zoos”, isto significa que definem como deve agir um bom jardim zoológico, as preocupações e atitudes que devem adotar. A EAZA conta já com a participação de mais de 300 jardins zoológicos e são os vice-presidentes do Comité de Educação da Europa até 2020.

O Centro Pedagógico encontra-se atualmente a organizar uma conferência que terá lugar no próximo mês de Março em Lisboa, cuja temática é a educação na Europa. Esta conferência tem como temas “o poder do comportamento e inspirar as pessoas a agir” – afirma Antonieta, explicando que para fazer a diferença as pessoas têm que ser inspiradas para alterar o seu comportamento. Para este efeito optaram por nomear um Green-Sheik árabe, um homem da família real, como orador desta conferência.

O Green-Sheik é formado em engenharia química e trabalhou durante 3 anos com petróleo, antes de desistir e tirar um doutoramento em ecologia nos Estados Unidos da América. Atualmente adota um estilo de vida ecológico, usando transportes públicos, poupando água, entre outros procedimentos. Esta reviravolta na sua vida em conjunção com a sua influência sobre o mundo, são as razões pelas quais o departamento da EAZA o nomeou como orador da conferência.

O Centro Pedagógico dinamiza ainda outros projetos como o “Desliga a Ficha!” e o “Pole to Pole”, ambos relacionados com a conservação de energia e um projeto de educação in-situ em Moçambique. Desenvolveu ainda outras iniciativas, nomeadamente, programas de visitas gratuitas guiadas para alunos do ensino pré-escolar, do 1º, 2º e 3ºciclos, secundário e ainda campos de férias educacionais, workshops ambientais dirigidas a adultos, dias temáticos e um site no qual respondem a dúvidas que recebem, entre outros.

A nível de educação necessária para que se possa colaborar no jardim zoológico, Tiago Carrilho, biólogo e guia do zoo, afirma que “o ambiente é multidisciplinar” envolvendo muitas áreas de formação. Assim, qualquer pessoa maior de idade pode ser indicada para trabalhar neste espaço porque “o importante é ter gosto” afirma Tiago.

Grupo 1 – Alexandrina Almeida, Carlos Pinto, Marta Costa

 

Alunos envolvidos no projeto: Alexandrina Almeida; Carlos Pinto; Marta Costa

Data: 27.02.2015

Partilha esta reportagem em