A Biodiversidade num Parque Urbano

Os Parques Urbanos para além de representarem as zonas verdes das cidades, promovem a educação ambiental e a sensibilização das populações para o resguardo dos recursos naturais, funcionando como um local de interação entre os cidadãos e a natureza. A iniciativa dos utilizadores dos Parques, podem constituir importantes veículos de promoção da sua Biodiversidade, especialmente em momentos de crise, como o que se vive atualmente, causada pela Pandemia CoViD19 que obrigou ao encerramento temporário do Parque da Devesa.


O Parque da Devesa, inaugurado a 28 de setembro de 2012, é um Parque Urbano situado no concelho de Vila Nova de Famalicão. Este espaço verde com 27 hectares, surgiu da iniciativa de recuperar um espaço rural ao abandono através da requalificação de edifícios agrícolas pré-existentes para diferentes fins mantendo, porém, a sua linha tradicional e assim potenciar a biodiversidade local criando uma área ambiental.

De acordo com Clara Lemos, membro da equipa técnica do parque, ‘‘Os planos de urbanização da década de 70 apontavam o atual espaço como tendo um forte potencial para parque, tendo em conta a sua forte proximidade com o centro e mantendo-se como espaço agrícola, sem construções e associado ao rio Pelhe que atravessa a cidade’’. Acrescenta que, ‘’a construção do Parque, iniciada no segundo semestre de 2011, incluiu a despoluição e renaturalização das margens do rio Pelhe, a introdução de um lago, a limpeza de vegetação prejudicial e preservação de outras espécies vegetais ou de valor paisagístico e, por último, a plantação de 37 mil exemplares de árvores e arbustos de diferentes espécies.’’

Trabalhos no parque 2011. Consultado em http://www.parquedadevesa.com/_pa,rque_historia

Clara Lemos explicou que antes da criação do parque, a vegetação era em grande parte composta por espécies invasoras, sendo maioritariamente acácias e eucaliptos, mas com a transformação da área para a construção do parque num espaço de lazer e com dinâmica de uso próprio, surgiu a necessidade de outro tipo de vegetação que promovesse a biodiversidade e ajudasse na criação de vários cenários de utilização. O rio tornou-se um dos elementos centrais do parque a nível estético, sendo também um grande contributo para a biodiversidade, pois garante o crescimento espontâneo de, por exemplo, Amieiros e Salgueiros auxiliando na restauração da galeria ribeirinha com a criação de habitats, zonas de sombra, abrigo e alimentação, contribui para a melhoria da qualidade da água, bem como para a estabilização das margens. O lago funciona como um ponto de armazenamento de água para rega do parque, sendo o seu consumo otimizado através da utilização de um software dinâmico e regulado pelas condições climáticas. Permite diminuir o impacto resultante das cheias e funciona como uma área de infiltração para recarga dos aquíferos subterrâneos, surgindo como um ecossistema rico em fauna e flora de elevada importância ecológica com funções ambientais que privilegia a proteção e promoção da biodiversidade. Acrescentou que em colaboração com a Divisão de Ambiente fazem periodicamente análises à qualidade de água do rio e do lago e aos sedimentos, de modo a monitorizar e tomar medidas de proteção e promoção da biodiversidade, num parque que se pretende cada vez mais rico em fauna e flora’’, contribuindo para a preservação das espécies do território

Parque da Devesa em 2012. Consultado em https://globalpav.pt/portfolio/parque-da-devesa/

Este espaço atualmente fascina os cidadãos, que de forma voluntária e altruísta divulgam a sua beleza natural. É o caso de António Cruz, que criou o projeto ‘‘Avifauna do Parque da Devesa’’ (https://avifauna-do-parque-da-devesa.blogs.sapo.pt/) que resulta como nos diz o fotógrafo ‘‘…da observação, registo fotográfico, identificação e divulgação das espécies da fauna residente ou que visitam o parque, espécies estas que são motivo de apreciação dos residentes, mas também de muitos que visitam o parque”. António Cruz iniciou a realização de observações mensais regulares em 2013, divulgando os resultados a partir de 2014 na respetiva página de facebook do projeto e, no caso das aves, também no portal ebird, onde até ao momento já foram identificadas 93 espécies. Explica que para aderir ao projeto, os participantes comprometem-se a fazer publicações, única e exclusivamente, às espécies observadas na Devesa. Refere ainda que ‘’…este trabalho torna-se mais fácil se puder contar com o contributo de outros observadores…’’ e que “todos podemos apreciar a vida natural que nos rodeia’’. António Cruz, revela que as aves são as que se encontram em maior variedade como Melros, Alvéolas, Estorninhos e Patos-reais, contudo, podem ser encontradas outras espécies como Coelhos-bravos, Lontras, Rãs, Tritões, Borboletas e entre outros.

Papa-moscas-comum (Ficedula hypoleuca), fotografia de António Cruz. Consultado em https://avifauna-do-parque-da-devesa.blogs.sapo.pt/

Para além da iniciativa dos utilizadores, os Serviços Educativos do Parque também organizam e orientam inúmeras atividades de cariz ambiental e cultural e colabora e permite a realização de eventos desportivos e de lazer’’, através de palestras, workshops, oficinas, e outras ações como exposições elaboradas pela Casa do Território que envolvem diferentes públicos. A Diretora do Parque, Manuela Araújo, destacou o projeto ‘’Devesa em Família’’ iniciado em 2015, acrescentando que decorre aos domingos, de forma gratuita com o objetivo de potenciar a participação de todos os elementos da família, defendendo que ‘’…assim o Parque contribui para que pais e filhos juntos, experimentem e partilhem momentos de reflexão sobre a importância da preservação da biodiversidade esperando que resulte numa aprendizagem consciente e se materialize na adoção de estilos de vida saudáveis e ambientalmente sustentáveis’’

Atividade Defesa em Família, 2018. Consultado em http://www.parquedadevesa.com/_parque_historia

Desde a criação do Parque, o rio, o crescimento das árvores e da vegetação ribeirinha e o lago, contribuíram para que hoje o Parque da Devesa represente um hotspot de biodiversidade que pode ser observada durante prazerosos passeios, ou à distância aproveitando a iniciativa dos cidadãos utilizadores do Parque, como a de António Cruz, que facilita a divulgação dessa biodiversidade promovendo momentos de educação ambiental mesmo em tempos isolamento social, impostos pelo estado de emergência sanitária.

http://www.parquedadevesa.com/

https://avifauna-do-parque-da-devesa.blogs.sapo.pt/

https://www.cm-vnfamalicao.pt/

http://www.parquedadevesa.com/_parque_da_devesa_encerrado

 

Alunos envolvidos no projeto: Mariana Costa, Patrícia Rodrigues e Sara Silva

Escola: D Sancho I

Data: 30.03.2020

Partilha esta reportagem em