A Biodiversidade do Pico – Visita aos Serviços da Conservação da Natureza e Sensibilização Ambiental

No âmbito do Programa Jovens Repórteres para o Ambiente, os alunos da Escola Básica e Secundária de São Roque do Pico, que frequentam a oficina de Jornalismo, realizaram uma visita de estudo, aos Serviços da Conservação da Natureza e Sensibilização Ambiental, no dia seis de fevereiro, com o objetivo de recolherem informações diversas sobre a biodiversidade da ilha do Pico. Uma vez que o objetivo principal deste programa consiste em preparar os jovens para o exercício de uma cidadania ativa na defesa do ambiente, utilizando metodologias no âmbito da investigação ambiental, do jornalismo, da comunicação e da internet, solicitámos ajuda a esta entidade para nos informar sobre a biodiversidade nos Açores, mais precisamente, na ilha do Pico.


Os alunos foram recebidos pela bióloga Carla Silva e pela engenheira Maria José Bettencourt que se disponibilizaram para nos ajudarem na nossa missão de Jovens Repórteres para o ambiente. Ambas foram muito claras nas suas exposições e também nos facultaram tabelas e sites para podermos complementar os nossos estudos.

Da análise destes documentos, retirámos as seguintes informações: o arquipélago dos Açores, constituído por 9 ilhas e alguns ilhéus, resultado de mecanismos sísmicos e vulcânicos particulares, localiza-se em pleno Oceano Atlântico, o que lhe confere condições particularmente importantes e especiais. Esta região singular é fortemente marcada pela sua natureza insular que lhe proporciona a presença de recursos naturais únicos que são reconhecidos inclusivamente a nível internacional. Com efeito, a localização geográfica e as características geofísicas e edafoclimáticas do arquipélago, modeladas pela intervenção humana, deram origem a uma variedade de ecossistemas e paisagens que proporcionam a existência de um interessante número de habitats que albergam uma grande diversidade de espécies, incluindo endemismos (espécies que apenas ocorrem nas ilhas dos Açores) e espécies-relíquia do ponto de vista biogeográfico e/ou genético.

De acordo com a publicação de Borges,et. al (2010) (“Listagem dos organismos terrestres e marinhos dos Açores”), a diversidade de organismos do arquipélago dos Açores é de 8047 taxa (espécies e subespécies). O número de espécies e subespécies terrestres é de 6164 (Fungi – 1328, Chromista – 4, Protoctista – 575, Plantae – 1590 e Animalia – 2667), sendo 452 endémicas (Fungi – 34, Protoctista – 7, Plantae – 80 e Animalia – 331). No entanto, estes números estão subestimados, uma vez que estudos recentes têm revelado novos taxa de endémicos e ainda não foi publicada a atualização da lista.

A inclusão de espécies de aves não nidificantes e potencialmente nidificantes acrescenta 325 taxa, registando-se um número total de 6489 taxa no meio terrestre açoriano.

Os animais são os mais diversos em endemismos, compreendendo cerca de 73% dos endemismos terrestres dos Açores. Os filos Mollusca (caracóis e lesmas) com 49 espécies e subespécies e os Arthropoda com 272 são os mais expressivos em termos de número de taxa.

Para a ilha do Pico o número de espécies e subespécies terrestres listadas é de 2286 (Fungi – 322, Protoctista – 141, Plantae – 901 e Animalia – 922) sendo 225 endémicas (Fungi – 10, Plantae – 65 e Animalia – 150).

Relativamente às plantas vasculares, a lista publicada para os Açores conta com 73 endemismos. Destas 61 estão listadas como ocorrendo na ilha do Pico. Destaca-se a espécie endémica desta ilha (esta espécie só tem distribuição na ilha do Pico mais propriamente na cratera da montanha do Pico):  Silene uniflora ssp. Cratericola.

Relativamente aos animais e no que diz respeito ao grupo mais expressivo (Artropodes) dos 266 taxa endémicos, estão listados para o Pico 110 taxa. Contudo, recentemente foram  descobertas 4 novas espécies de escaravelhos nos Açores. Duas dessas espécies encontram-se no Pico, a Tarphius furtadoi e a Tarphius gabrielae. Contudo, a Tarphius furtadoi também existe no Faial e em São Jorge. Todavia, a Tarphius gabrielae só ocorre no Pico sendo, portanto, endémica do Pico. Neste sentido, são implementadas várias medidas para conservação destes valores e que, por exemplo, a nível da Rede Regional de Áreas protegidas estão protegidas 123 áreas. Para gerir estas áreas foram criados 9 Parques Naturais de Ilha.

Relativamente ao Pico, e no que diz respeito ao Parque Natural da ilha do Pico estão protegidas 22 áreas, sendo 4 reservas naturais, 1 monumento natural, 8 áreas protegidas para a gestão de habitats ou espécies; 6 áreas de paisagem protegidas e 3 áreas protegidas para a gestão de recursos.

Sites a consultar:

– Relatório do Estado do Ambientehttp://rea.azores.gov.pt/reaa/11/conservacao-da-natureza-e-biodiversidade

– Portal da Biodiversidade http://azoresbioportal.uac.pt/pt/especies-dos-acores/silene-uniflora-cratericola-13412/

 

Alunos envolvidos no projeto: Glayson Almeida; Gonçalo Mateus; Lara Sousa

Escola: EBS São Roque do Pico

Data: 22.02.2018

Partilha esta reportagem em