Chipre não podia ter sido a experiência de vida mais marcante de sempre até hoje, muita culpa por ter sido a primeira vez a andar de avião, mas também, pq nunca tinha sido premiado por mérito próprio e com tantos frutos que acabei por colher, e como diz o velho ditado, “quem não arrisca não petisca”.
Digo já sem demoras que a equipa portuguesa que enfrentou o segundo cabo da boa esperança foi bestial, pois tudo o que pudesse representar obstáculos para nós, conseguimos sempre ultrapassá-los e torná-los possíveis e concretizáveis de modo a garantir a qualidade e que demosntrasse a coragem Lusitana, que tanto de nós representa desde a fecundação desta pátria única e mais ocidental da Europa.
É com orgulho que digo que somos Portugueses, com orgulho de Portugal e que mais uma vez fomos à descoberta em mares desconhecidos e trouxémos de lá, lembranças como quem trouxe especiarias em outros tempos e amizades como ouro “dourado” do maior quiltate existente à face da Terra.
A todos vocês um Grande e Caloroso OBRIGADO!

Gonçalo Santos

X