Lixo Marinho: microplásticos

Lixo Marinho: microplásticos

IMG_0606 (1)O lixo marinho provoca ameaças de natureza física, química e biológica ao interagir com a fauna marinha.

Um dos principais problemas do lixo marinho é o aprisionamento de partes do corpo dos animais marinhos em linhas de pesca, sacos de plástico, cabos ou redes que foram perdidas ou abandonadas pelas atividades pesqueiras. Além do aprisionamento, existem também animais que ingerem lixo marinho, sobretudo plásticos, uma das principais causas de morte, devido à sensação de enfartamento e à perda de apetite alimentar.

Dos tipos de lixo marinho plástico que mais interagem com a fauna por ingestão, estão os plásticos de tamanho reduzido, os microplásticos. Os microplásticos são plásticos de dimensões reduzidas (menores a 5 mm) que resultam de partículas de plástico de maiores dimensões, que sofrem degradação e erosão. Encontram-se a flutuar à superfície da água, em suspensão na coluna de água, depositados no fundo e também nas praias. São facilmente confundidos com alimento devido ao seu tamanho, os microplásticos são potenciais vetores na transferência e exposição dos organismos marinhos a poluentes persistentes orgânicos (POP).

A ingestão de microplásticos é uma ameaça a longo-prazo para os organismos marinhos, não só pela possível obstrução do aparelho digestivo mas também pelos efeitos tóxicos. No fim da cadeia alimentar, quando o homem se alimenta desses peixes, ingere também os poluentes que se acumularam ao longo da cadeia, prejudicando assim, a saúde humana.

Microplásticos nos Cosméticos

Sabia que … Os microplásticos são usados na maioria dos cosméticos, tais como, exfoliantes, dentífricos, vernizes para unhas, sabonetes líquidos, sombras para os olhos, etc …

As microesferas de microplástico usadas em produtos de higiene pessoal são feitas principalmente de polietileno e polipropileno, quase sempre menores que 1 mm.

O número de empresas de produtos de higiene que usam microplásticos ainda é alarmante mas, tem vindo a diminuir.

As ETARs portuguesas não removem microplásticos das águas residuais. Geralmente as ETARs possuem uma etapa de tratamento preliminar onde são removidos degradados, constituídos por uma mistura de sólidos grosseiros, tanto orgânicos como inertes, que podem igualmente conter alguns materiais plásticos. Estes resíduos são recolhidos, transportados e depositados em aterro sanitário.

Exemplos de multinacionais que deixaram de usar microplásticos nos seus produtos: Colgate, L’Oréal, Adidas, Avon, Johnson & Johnson, Oral-B, Palmer´s, RITUALS … etc…

Alunos envolvidos no projeto: Alunos do 8.ºI Externato Cooperativo da Benedita

Escola: A post with the ID $school does not exist.

Data: 05/06/16

Partilha esta reportagem em